• Carolina Macedo Galvani

Colorado é o oitavo estado dos EUA a proibir gaiolas para galinhas poedeiras

Uma nova lei no Colorado garantirá que todos os ovos produzidos e vendidos no estado sejam 100% livres de gaiolas até 2025. A legislação, em vigor desde junho, foi aprovada pelos legisladores estaduais e assinada pelo governador Jared Polis.

Graças a essa medida, quase 5,5 milhões de galinhas poedeiras começarão a viver sob um sistema sem gaiolas, que incluirá um sistema aviário enriquecido que promovem benefícios físicos e psicológicos, como ninhos, poleiros, áreas de arranhões e áreas para banhos de areia. Essas condições reduzirão o sofrimento das galinhas, que não estarão mais confinadas em gaiolas de bateria.

“Este é um ótimo exemplo de como a produção de ovos se tornará livre de gaiolas mundialmente. É o mínimo que pode ser feito para milhões de animais que, segundo vários estudos científicos, são sencientes”, afirmou Lucia Gomes, Diretora Global de Campanhas da Sinergia Animal.

Uma transformação ampla

O Colorado é o oitavo estado dos Estados Unidos a aprovar uma lei livre de gaiolas nos últimos quatro anos, seguindo as experiências de Michigan, Oregon, Washington, Massachusetts, Califórnia, Ohio e Rhode Island. Essa tendência é apoiada por organizações de proteção animal, demandas dos consumidores e políticas livres de gaiolas de grandes empresas como Nestlé, Mondelez International, Unilever, Kraft Heinz, Burger King e McDonald's, que estão transformando sua cadeia de suprimentos para não mais usar ovos de galinhas poedeiras confinadas em gaiolas de bateria nos Estados Unidos e em outros países do mundo.

Atualmente, 26% dos ovos produzidos e comercializados nos Estados Unidos já são livres de gaiolas, o que representa um crescimento notável, já que há seis anos era apenas 5%. As organizações que lideraram a proposta também comemoraram a vitória, considerando a dificuldade de aprovar novas leis em tempos de pandemia.

Por que "livre de gaiolas"?

As gaiolas de bateria são consideradas um dos sistemas mais cruéis para animais explorados pela indústria de alimentos. As galinhas poedeiras passam a vida inteira em gaiolas pequenas e sujas, do tamanho de uma folha de papel A4. Elas são mantidas apertada, com possibilidades limitadas de movimento, o que causa frustração, lesões, perda de penas e desenvolvimento de doenças dolorosas.