Uma tortura

ESCONDIDA

Os porcos são um dos animais mais inteligentes do planeta, com habilidades cognitivas similares a dos grandes primatas, golfinhos e elefantes. Esses animais incríveis têm consciência de si mesmos e já foram considerados mais inteligentes do que os cães em estudos científicos. Eles também têm hábitos muito limpos e dividem o espaço onde vivem em áreas de descanso, de comer, de brincar e de fazer suas necessidades. Assim como nós, eles sentem medo, dor e tristeza.

As granjas industriais ignoram totalmente as necessidades desses animais. No Brasil e na América Latina, milhões de porcas reprodutoras - usadas para parir leitões - são confinadas em gaiolas de gestação por praticamente toda a vida. Essas gaiolas têm aproximadamente o mesmo tamanho dos corpos das porcas, e por isso elas não podem sequer andar ou virar-se dentro da gaiola. Elas vivem suas vidas inteiras sem poder expressar seus comportamentos naturais, como fuçar, buscar comida, fazer ninhos e pastar. Sem dúvida, essa é uma das piores crueldades da indústria da carne.

Os estudos científicos demonstram que porcas engaioladas são mais propensas a sofrer de frustração e trauma psicológico. Elas também sofrem de problemas físicos como infecções urinárias, ossos enfraquecidos, manqueiras ou até mesmo perda da locomoção devidos a problemas nas pernas e cascos.

Na América Latina, a equipe da Sinergia Animal vem lutando contra esses abusos e exigindo que grandes empresas se comprometam a acabar com essa crueldade em suas cadeias de fornecimento.
E estamos conseguindo.

Grandes cadeias de fast food como SubwayMcDonald’s e Burger King já anunciaram que vão eliminar o uso de gaiolas de gestação em toda a América Latina. No Brasil, os três maiores produtores - BRF, JBS e Aurora - também já assumiram esse compromisso.

Livre de gaiolas significa livre de crueldade?

Claro que não. Sabemos que nenhum tipo de exploração animal é boa, mas já que não podemos acabar com a indústria da produção animal de um dia para outro, temos que pelo menos garantir que os animais sejam tratados de forma mais digna.

Os sistemas livres de gaiolas têm um grande potencial de diminuir o sofrimento dos animais. A eliminação das gaiolas permite que os animais se movam, socializem uns com os outros e expressem seus comportamentos naturais, que são importantes para o seu bem-estar.

No entanto, existem vários outros problemas na indústria suína. Por exemplo, na maioria das granjas, os leitões são castrados e têm seus dentes cerrados e rabos cortados sem nenhum tipo de anestesia. Os animais de engorde, que não são criados em gaiolas, vivem em baias de cimento - muitas vezes superlotadas. E no final, é claro, todos sofrem ao serem transportados e mortos nos abatedouros.

Devemos nos lembrar que a melhor forma de proteger os animais é não comê-los.

DIGA SIM À VIDA E NÃO À CARNE

A melhor forma de ajudar os animais é deixar eles fora do seu prato. Escolha não contribuir com nenhum tipo de sofrimento e crueldade, saiba mais sobre a importância de adotar uma dieta vegana:

Em 2018, com pouco mais de um ano de trabalho, Sinergia Animal foi reconhecida como uma das ONGs de proteção animal mais eficazes do mundo pela renomada instituição Animal Charity Evaluators (ACE).