Buscar

4 razões por que o ativismo virtual pode ajudar a mudar o mundo



Maus-tratos aos animais, incêndios na Amazônia, fome, pandemia – estes são alguns dos milhares de problemas que afetam o planeta. Enquanto o mundo enfrenta tantos desafios, já te passou pela cabeça que na maioria das vezes você se sente frustrado porque acha que não pode fazer nada para transformá-lo?


Há uma saída, quando decidimos mudar as coisas juntos. Lembre-se de que somos muitos nos sentindo assim e que devemos concentrar nossos esforços em ações que podemos tomar para conseguir um mundo melhor. Aqui vão 4 razões por que o ativismo virtual pode ajudar a mudar nossa realidade.


1. Unificar as vozes de pessoas de qualquer lugar do mundo


Graças ao mundo virtual, hoje podemos encontrar espaços onde nossas vozes podem se unir. Podemos nos organizar para construir movimentos mais fortes e fazer muito mais barulho. As plataformas virtuais nos dão essa possibilidade de participar ativamente em movimentos sociais de qualquer lugar do mundo. Com um tweet, email, mensagem no Instagram ou Facebook, você pode mostrar sua indignação e preocupação com os incêndios da Amazônia, ou a crise política no Peru, mostrar seu repúdio à caça de baleias no Japão – tudo de maneira rápida e descentralizada.


Um exemplo disso são nossas ações internacionais. Pelo menos uma vez por mês, os ativistas da Sinergia Animal têm a possibilidade de apoiar campanhas em outros países. Não importa se você está na América Latina ou na Ásia, estamos todos trabalhando juntos pelos animais.


2. Sua voz pode alcançar grandes líderes mundiais


Antigamente era difícil poder participar de reuniões importantes ou sequer chegar a ter contato com pessoas em posição de tomada de decisões. Hoje, isso é possível graças ao Twitter, que nos fornece contato direto com líderes políticos, empresariais e sociais. De maneira respeitosa, podemos mostrar nossa indignação e oferecer alternativas. Até pode assistir ao vivo as reuniões entre esses líderes e fazer parte do processo de tomada de decisão.


Lembra da ação em que pedimos aos principais bancos de desenvolvimento do mundo que parassem de financiar projetos da pecuária? Graças a todos os tweets enviados e à pressão durante o evento, conseguimos que nossas perguntas fossem discutidas na mesa pelo Dr. Rajiv Shah, presidente da Fundação Rockefeller. As palavras foram ouvidas pelos executivos de diversos bancos e fundações do mundo. Esperamos que cada vez mais considerem desinvestir do setor da pecuária intensiva e, em troca, redirecionem seus financiamentos a sistemas alimentares mais sustentáveis.



3. Do ciberativismo às ruas


Graças a essas plataformas, podemos unir pessoas que estão trabalhando por uma mesma causa e levar nossas queixas às ruas. Nós não só fazemos ativismo virtual como também, graças a ele, temos conseguido nos conectar com pessoas fisicamente (fora do contexto da pandemia, claro). Temos passado momentos incríveis levando nossa mensagem às ruas e defendido melhores condições para as milhões de galinhas engaioladas pela indústria alimentícia. Temos feito laços e criado amizades, e é assim que se constrói um movimento, com resiliência e união.


4. Um clique pode ser político


Certamente, você tem visto como muitos pedidos têm sido respondidos depois de denúncias feitas nas redes. Embora todos nós sonhemos em resgatar uma vaca, um porco, uma galinha do inferno das fazendas, ou qualquer animal que esteja vivendo sob condições violentas, nem sempre podemos estar fisicamente presentes nesses atos.


Passamos anos fazendo ativismo de nossas casas, um ativismo persistente e constante. Compartilhamos notícias, denúncias e debatemos ideias a respeito de como tratamos os animais – e hoje vemos que eles estão começando a ser considerados. Em 2017, a Sinergia Animal deu início a um debate que parecia dar em nada em vários países da América Latina e do Sudeste Asiático. Insistíamos que as galinhas, porcos, vacas e bezerros sentem e merecem uma vida livre de crueldade! Hoje contamos com mais de 40 compromissos na América Latina, de empresas que deixaram de apoiar esses sistemas e na Colômbia está em curso um projeto de lei que vai permitir que o consumidor saiba de onde vêm os produtos de origem animal e a crueldade neles contida.


Denunciar e mostrar a verdade a um mundo que tem naturalizado a crueldade com que tratamos os animais já é revolucionário. Um tweet, uma mensagem, uma verdade para compartilhar são sempre melhores do que permanecer em silêncio. Nunca pense que você nada pode fazer porque levantar nossa voz pode transformar a vida dos animais. Seja um ativista!