• Aline Baroni

Michigan se torna maior estado produtor de ovos dos EUA a banir gaiolas de bateria

O estado de Michigan, nos Estados Unidos, acabou de aprovar uma lei para proibir o confinamento de galinhas, exigindo que gaiolas não mais sejam usadas e que sejam implementados programas de enriquecimento que são fundamentais para o bem-estar das galinhas, como áreas específicas para elas se empoleirarem, botarem ovos e tomarem banho de areia ou terra. E ainda mais: a partir de dezembro de 2024 será proibida a venda de ovos de galinhas confinadas no estado.

Essas medidas vão tornar melhores as vidas de mais de 15 milhões de galinhas exploradas pela indústria dos ovos de Michigan. Recentemente, uma decisão similar foi tomada no estado de Oregon. Agora, Michigan é o maior estado produtor de ovos nos Estados Unidos a adotar uma legislação cage-free.

O senador Kevin Daley contou à Michigan Radio que "a demanda dos consumidores por ovos cage-free acelerou o processo, já que mercados já buscavam responder a esse pedido". Ovos cage-free significa que as galinhas são mantidas fora de gaiolas, mas elas são geralmente confinadas em galpões e não têm acesso a áreas externas. Apesar de não defendermos o consumo de ovos, nem mesmo ovos cage-free, acreditamos que o mundo não se tornará vegano de um dia para o outro. Como uma parte significante da população continuará consumindo ovos, esse método ao menos causa menos sofrimento às galinhas se comparado às gaiolas de bateria.

Como é passar a vida em uma gaiola

Viver em gaiolas é extremamente frustrante e doloroso para galinhas, que são seres inteligentes, curiosos e ativos. Elas passam sua vida inteira em uma gaiola com outros animais e têm apenas o espaço equivalente a uma folha de papel A4 para se mover, o que significa uma vida de imobilidade e insatisfação. É impossível para ela manter os comportamentos naturais da espécie, como busca alimento, bater as asas e até andar. O metal das gaiolas ainda machuca seu corpo, causando ainda mais sofrimento.

Algumas delas acabam morrendo dentro das gaiolas e deixadas lá apodrecendo em meio a suas colegas. Ao fim de suas vidas, quando elas não são mais produtivas o suficiente para a indústria, as que sobrevivem são abatidas como qualquer outra criada para carne.

As pintinhas fêmeas têm seus bicos cortados em seus primeiros dias de vida e sem o uso de qualquer analgésico. Pintinhos machos são frequentemente triturados vivos e conscientes porque eles não põem ovos, logo não são úteis para a indústria.

Essas gaiolas são tanto uma ameaça para a saúde das galinhas quanto das nossas. Porque as gaiolas são tão lotadas, é o local perfeito para as doenças se espalharem. Para conter doenças como salmonella, a indústria de ovos usa uma enorme quantidade de antibióticos e inseticidas que são perigosos para as pessoas individualmente e para a saúde pública.

Ovos também não são exatamente bons para a saúde. Ultimamente, estudos mostram que comer três ovos por semana aumenta o risco de doenças cardiovasculares e morte.

Por favor, considere o veganismo, essa é a melhor forma de ajudar os animais. Clique aqui para saber como começar.