Buscar

5 dicas para o convívio com pessoas não veganas




Qual você acha que é a parte mais difícil de se tornar vegane quando se convive com pessoas não veganas? Cozinhar novas refeições? Talvez jantar fora e não ter tantas opções? Todas essas são fortes candidatas mas, muitas vezes, o maior desafio são as interações sociais.


Desde amizades e colegas de trabalho a parceires e familiares, uma pessoa recém vegana pode sentir como se estivesse no meio de um furacão de perguntas. "Como você vai tirar as proteínas?", "por que você não comeria carne?", "o que há de errado com o leite?", "o que é que eu vou cozinhar agora?". Estes são apenas alguns dos questionamentos mais frequentes.


Se você vive só ou mesmo com outras pessoas veganas, pode organizar as suas compras de mercado e o preparo de refeições para ter a certeza de que não vai abrir a geladeira e encontrar produtos que remetem à crueldade animal. Mas se você vive com pessoas não vegetarianas, pode não ser tão simples assim, especialmente se depender deles financeiramente.


Por que algumas pessoas ficam tão incomodadas quando optamos pelo veganismo?


Nossos costumes e hábitos são preciosos para nós. Eles são parte essencial de nossa cultura e de nossa vida cotidiana. Nós os compartilhamos com nossa comunidade e falamos sobre eles em cada conversa casual, se encontramos algum produto em promoção ou se estamos planejando fazer aquela receita incrível que vimos na internet. De vez em quando, fazemos escolhas que impactam ou modificam esses costumes. Podemos adicionar um tempero diferente a uma receita de família ou mudar as marcas de um produto por diferentes razões. Essas mudanças são pequenas e se perdem no grande quadro da vida cotidiana.


Tornar-se uma pessoa vegana é um passo importante para fora de nossas zonas de conforto. O ponto é que a razão por trás dessa mudança pode ser óbvia para a pessoa em transição, mas não para todo mundo ao seu redor. Para as pessoas não vegetarianas que vivem com uma pessoa vegana, cada pequena decisão pode parecer enorme e irracional. "Por que você mudaria sua marca de xampu?", ou "mas eu comprei isto para você! Por que você não quer comer? Você está sendo rude".


O segredo está em como nos comunicamos


Situações tensas podem surgir, mas não têm que ser uma fonte de conflito! Há muitas maneiras de você melhorar suas relações domiciliares. Uma delas é através de uma comunicação eficaz. Tente explicar às pessoas de seu convívio o que torna o veganismo importante para você; sejam os animais, o meio ambiente ou a sua própria saúde.


E não se esqueça de se dispor a ouvir também! Na maioria das vezes, só dizem essas coisas porque se preocupam com você ou porque têm medo do que esta mudança significaria para suas próprias vidas. Estas pessoas são as mais próximas de você e, embora possa parecer que são céticas em relação ao veganismo, ouvi-las pode fazer uma enorme diferença. Você só será capaz de aliviar as preocupações delas se as entender primeiro.


5 dicas preciosas da equipe da Sinergia para conviver com pessoas não veganas:


  1. Cozinhe e compartilhe sua comida! Veganize os pratos favoritos da casa e prove que a alimentação vegana é fácil e saborosa. Siga perfis veganos nas redes sociais para ter inspiração na cozinha, experimente coisas por conta própria e use sua criatividade! Além de perceberem que o veganismo não é um fardo, as pessoas também consumirão menos animais.

  2. Seja paciente. Ver alguém assumir um novo estilo de vida pode ser muito difícil de lidar. Dê um tempo para as pessoas processarem a mudança e não seja muito impertinente. Elas vão superar! O que nos leva à próxima dica...

  3. Não se enfureça. A paciência não é só para quando as pessoas não veganas se esquecem de não colocar queijo no seu prato de macarrão. Não é raro que pessoas recém veganas sintam que têm que defender suas escolhas e a discussão pode facilmente ficar intensa ao se debater os assuntos que mais tocam nossos corações, como os direitos dos animais! Você pode se preparar para eventos familiares com dicas de como lidar com sua família não vegana durante feriados.

  4. Cuide-se bem. Sua família e seus amigues provavelmente passarão a se preocupar mais com sua saúde quando você fizer a transição para o veganismo. Lembre-se de que você está fazendo grandes mudanças na maneira como vive sua vida. Portanto, deve reconhecê-las e agir com responsabilidade. Uma alimentação vegana é capaz de fornecer tudo o que precisamos em termos de nutrientes (lembre-se de tomar suplementos veganos de vitamina B12), mas é importante ter em mente que, para ser saudável, você deve fazer refeições variadas e equilibradas, principalmente com vegetais frescos, frutas, grãos, sementes e castanhas - assim como quem come carne, para falar a verdade. Se possível, consulte-se com nutricionistas especialistas em dietas à base de vegetais para verificar que tudo está em ordem e garantir que permanecerá assim! Se você estiver saudável, sua família e amigues terão um motivo a menos para discutir com você.

  5. Informe-se. Esta pode ser a dica mais importante que podemos te dar. Há muitos mitos e conceitos errôneos sobre veganismo que podem eventualmente ser levantados por suas amizades e familiares não veganes, e você precisará se informar para refutá-los! Para te ajudar a começar, reunimos algumas das coisas mais comuns que ouvimos sobre pessoas veganas e que simplesmente não são verdadeiras.

  • Mito: “O veganismo não é saudável”. Fato: Na verdade, a Academia de Nutrição e Dietética dos EUA afirma que “dietas vegetarianas e veganas apropriadamente planejadas são saudáveis, nutricionalmente adequadas e podem oferecer benefícios de saúde para a prevenção e tratamento de certas doenças. Essas dietas são apropriadas para todos os estágios da vida, incluindo a gestação, amamentação, infância, adolescência, vida adulta avançada e para atletas”. Por outro lado, há muitos estudos que apontam para a relação do consumo de carne e laticínios e com um aumento do risco de vários tipos de câncer e outras doenças.

  • Mito: “Você precisa do leite por causa do cálcio”. Fato: Estudos demonstraram que o leite não é um requisito para que as pessoas consigam absorver o cálcio e outros nutrientes, mas há muitas razões para reconsiderarmos se o leite sequer é saudável. Algumas fontes alternativas e saudáveis de cálcio são o brócolis, a couve, laranja, tofu, grão-de-bico e frutas secas como o figo e a ameixa.

  • Mito: “O veganismo é caro”. Fato: Assim como qualquer outra coisa, você tem a versão cara e a barata. Por exemplo, você pode criar um hambúrguer vegano delicioso de lentilha que é fácil de fazer, saudável e barato, ou você pode comprar substitutos de carne no mercado que (embora deliciosos) podem fazer você gastar um pouco mais. Dê uma olhada nas dicas amigas do bolso que demos em nosso blog post sobre como ser vegane sem gastar muito.

  • Mito: “O veganismo não é sustentável se você substitui a carne pela soja”. Fato: Algumas pessoas argumentam que uma dieta vegetal é prejudicial para o meio ambiente porque muitas pessoas veganas consomem produtos de soja, que tem relação com a monocultura e o desmatamento. Você sabia que 80% da produção mundial de soja é destinada à alimentação de animais na indústria pecuária? Nós usamos 7 kg de grãos para produzirmos apenas 1 kg de carne de vaca! Uma transição ao estilo de vida vegano representaria um passo importante no redirecionamento desses grãos para a alimentação humana, evitando a monocultura em grande escala que tanto danifica o nosso meio ambiente.